quinta-feira, 26 de julho de 2007

...A minha pele tem o fogo do juízo final...

Ando tão à flor da pele,
Que qualquer beijo de novela me faz chorar,
Ando tão à flor da pele,
Que teu olhar flor na janela me faz morrer,
Ando tão à flor da pele,
Que meu desejo se confunde com a vontade de não ser,
Ando tão à flor da pele,
Que a minha pele tem o fogo do juízo final.
Um barco sem porto,
Sem rumo,
Sem vela,
Cavalo sem sela,
Um bicho solto,
Um cão sem dono,
Um menino,
Um bandido,
Às vezes me preservo noutras suicido.
Às vezes me preservo noutras suicido.
Oh sim eu estou tão cansado,
Mas não pra dizer,
Que não acredito mais em você
Eu não preciso de muito dinheiro graças a Deus
Mas vou tomar aquele velho navio,
Aquele velho navio..
Um barco sem porto,
Sem rumo,
Sem vela,
Cavalo sem sela,
Um bicho solto,
Um cão sem dono,
Um menino,
Um bandido,
Às vezes me preservo noutras suicido.

4 comentários:

rosadocampo disse...

Não suicide!
Viva e reviva, sem morrer ou matar quem amas. A inteligência é uma grande arma para que a pele ofuscada pelos desejos e amores insanos, corretos e falsos sejam desvencilhados do fracasso.

Eu a entendo. Eu sei...Leia-me.

=***

Lu disse...

Quem nunca anda a flor da pele?
as vezes ate de mais.. outros ate de menos...
sempre com um ate no meio.

ate nos cansarmos de tudo isso :)

nada melhor do que sair sem rumo...entre pensamentos mesmo..que é sem rumo que achamos o nosso..
acabamos por achar.

[nao sei meu rumo, mas tu estas do lado que eu sei ;)]

Ludmila Barbosa disse...

E quem não tem momentos assim???
Muito bom esse poema, muito bom mesmo, adorei.
Agradeço pela tua passada em meu blog, afinal me trouxe aqui, um outro blog tão bom.

Ludmila Barbosa disse...

Música? Eu não sabia, mas é muito bom mesmo assim.
Abraços!!!