domingo, 8 de junho de 2008

The Blowers Daughter

Então é assim do mesmo jeito que você sempre disse que ía ser.
A vida correndo fácil, sem amor, sem glórias, nada de heróis.
A gente acabou esquecendo de tudo, tudo o que planejamos naquelas tardes em que jogávamos os pensamentos leves ao sabor do vento.
Tudo não saiu do passado, nossas vontades, os desejos, os sonhos, o mundo claro que construímos pra nós, tudo passou como o vento. Nada resta, nada brilha, só pensamentos turvos que insistem em me lembrar, você não está aqui [do meu lado].
A história curta, os beijos roubados, as noites em claro, as palavras caladas. Não sobrou nada.
Esquecemos da brisa.
E é do jeito que você sempre quis e não dizia. Do mesmo jeito que você nunca lutou pra mudar. Aceitamos as derrotas de cabeça baixa e não insistimos. Talvez assim fosse mais fácil. Aceitar e calar, calar no peito a dor que quer explodir.
Talvez fosse melhor partir. Porque estando aqui, simplesmente não consigo tirar meus olhos de você. E me dói mais ainda saber que pra você pouco importa. Filha do vento.
Pra você tudo muda com a estação, pra você nada é real ou estável, você sempre se vai, filha do vento. E eu não consigo tirar os olhos de você.
Mas de nada adiantaria fugir disso, porque longe dos meus olhos só penso em você. A água está fria, ventania, meus sentidos estão congelados, meus olhos estão molhados, a pupila contraída e você não abandona meus pensamentos, minha obscessão.
Não podia esperar nada diferente, os ventos mudam, filha do vento e como eles você tinha que mudar, tinha que querer outros mundos, outras histórias, outros cabelos de quem roubar perfumes, mas não podia, não depois dos planos, das rotas traçadas.
E a vida aqui correndo fácil, sem amor, sem glórias, nada de heróis.
Só o céu escuro.
E você nunca abandona minha mente. Abandonam-me os anseios, as certezas, mas você nunca, não pára de passar pelo meu filtro de sonhos, pela minha casa vazia, pelo meu rosto cansado, passa e deixa tudo revirado, depois sai.
Não sobra nada. Meu desejo por você.
Não consigo parar de pensar.


Ouvindo The Blowers Daughter
Damien Rice.

3 comentários:

Manu, Malu, como quiser.. disse...

Eh..gostei desse tambem "filha do vento"
voltei já com o blog =D
beijooo

Eduardo Henrique Silveira Mota disse...

To Adorando esses posts musicais. Continua. =)

Mai Amorim disse...

nhé... nenhum comntário q eu fzer vai ser à altura..





amei..


;*

e te amo!